sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Azazel


Dormia em um berço, uma criança recém-nascida, o demônio Azazel entrou em seu quarto lentamente, no silêncio da noite, e pingou o sangue na boca daquela criança, que foi amaldiçoada. O demônio ia visita-la sempre, e a medida que o tempo passava a criança mudava, se transformava cada vez mais, de repente, o demônio sumiu, parou de ir vê-la. Essa criança é um menino que cresceu com o ódio em seu coração, coração que na verdade parece nem existir, pois é feito de pedra. A vontade de matar e só praticar o mal o consome todas as noites, ele quer o sangue de Azazel, quer sentir mais uma vez aquela sensação que tanto o fez bem, aquele prazer. Um dia resolveu ir procurar seu "anjo" da guarda, para poder satisfazer sua vontade, mas no caminho alguém lhe disse: Você se tornou exatamente igual ao demônio, e só perde tempo procurando-o, afinal, um demônio não pode dar sangue a outro.

† Ðαяk † Åиgєℓ

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Floresta do medo


Nada disso tem sentido, caminho em busca de algo que nem eu mesma sei. O anjo da morte já veio várias vezes me buscar, mas ainda continuo aqui, nessa floresta obscura e solitária. As coisas estão embaçadas ao meu redor, tudo que vejo é apenas escuridão, tudo que sinto é apenas dor. Minha boca seca não anseia por água, mas sim por sangue. O nome desse lugar é floresta do medo, onde todos os seus piores pesadelos acontecem. Escuto apenas os gritos de pessoas que estão sendo torturadas e imploram por piedade até seu último suspiro, mas sou ignorante o bastante para ficar quieta, e deixar que derramem até a sua última gota de sangue.

† Ðαяk † Åиgєℓ

Reflexo


Nesse momento ouço apenas o barulho da chuva, e dos relâmpagos, quando o céu clareia pareço ver coisas, tudo fruto da minha imaginação, a mesma que me deu asas negras pra voar. A casa está totalmente vazia, nas paredes, quadros de alguém que eu nem conheci, a janela está molhada, vejo em meu reflexo apenas uma pessoa deformada. Sinto o cheiro da morte, que veio para me dar as boas vindas, ela se aproxima, enxuga minhas lágrimas, e diz em meu ouvido: não tenha medo, vá ao encontro de uma nova vida. Nesse momento não posso fugir nem de mim mesma, pois vejo meu reflexo em todo lugar. Há sangue por toda parte, minha unica saída é abaixar a cabeça, fechar os olhos e pensar em você, em nós dois, antes que eu pare de respirar, pois desejo que sejas minha última lembrança deste mundo tão sombrio, afinal, nosso sentimento é a unica coisa pela qual eu gostaria de ficar.

† Ðαяk † Åиgєℓ

Outubro


As luzes de outubro, comemorações de dia das bruxas, sinto que anunciam a chegada de uma nova surpresa. As árvores secas são nosso habitat, onde fazemos os pactos e escrevemos nossos juramentos em sangue. Os corvos ficam apenas na arquibancada, assistindo toda a nossa dor, eu presenciei sua primeira mudança, seu primeiro passo, fiz você se perguntar: Pra quê existe céu se a imagem do infinito já se encontra diante de mim, em seus olhos? Eu fui a assassina da tua inocência, te mostrei um mundo melhor.

† Ðαяk † Åиgєℓ

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Fantasmas do medo


Subo essas escadarias, com a esperança de encontrar uma solução no último degrau. O fogo que me consome, me deixa em carne viva, e assim vou deixando meu rastro de sangue por toda parte. Não sei o que ainda me mantém aqui, talvez seja a vontade de saber o final dessa história tão complicada. De quem depende o meu futuro? Apenas de mim mesma, e assumo isso, pois prefiro assumir meus próprios erros, a ser como aquelas pessoas que se fingem de vítima o tempo inteiro. Então veja minhas olheiras, e aí você perceberá que esses fantasmas do medo me perturbam a noite inteira.

† Ðαяk † Åиgєℓ

Jardim da Saudade


Vejo esse lugar totalmente vazio, nos corredores apenas lembranças. Procuro lembrar daquele jardim, que agora parece ser meu lugar preferido, quando passo por ele, tento observá-lo a cada segundo, enquanto espero a hora em que minha morte chegará. As pessoas parecem cansadas e entediadas pela rotina, eu também. Sei que pareço ser triste, por isso que as pessoas ficam me olhando, me evitando, olham meus desenhos, tentam entender os símbolos, mas a verdade é que ninguém nunca poderá entender o interior de uma alma solitária.

† Ðαяk † Åиgєℓ

Libertação


Hoje comecei a lembrar do passado, aquela época em que eu era tão infeliz e frágil. Só de lembrar do quanto estava vulnerável, e do quanto eu me enchia de esperanças com pequenas ilusões. Mas hoje mudei, me fortaleci, e finalmente sei a diferença entre certo e errado. Consigo ver através das pessoas, e saber quando elas estão sendo falsas, quando estão mentindo. Me tornei realista, botei os pés no chão para o meu próprio bem. Vejo pessoas rindo sem motivo, nesse dia frio e chuvoso, vejo crianças brincando, talvez elas ainda tenham chance de se libertar, antes que seja tarde demais.

† Ðαяk † Åиgєℓ

Passado, laços de sangue


Essas folhas mortas que caem, me transformam em apenas uma sombra do que eu era antes, sinto que estou em tempo de grande transformação. O que nos transforma? A falta de sonhos, os laços de sangue, as ilusões, o cansaço de tanto tentar lutar por causas perdidas, a vontade de esquecer o passado, a procura por ideais... Dizem que o tempo cura todas as feridas, mas de que adianta se depois elas são abertas novamente, mesmo que por outras pessoas? Não quero mais me expor tanto. Meu maior defeito é acreditar, que um dia as pessoas podem mudar pra melhor.

† Ðαяk † Åиgєℓ

Em busca da diferença


Gostaria de ser como os vampiros, seres noturnos perigosos, mas ao mesmo tempo tão fascinantes. E as bruxas, para alguns elas podem até dar medo, mas pra mim são encantadoras, porque chamam muito minha atenção com suas roupas pretas e poderes. Os lobisomens famintos por carne, ficam apenas esperando a lua cheia, talvez nunca tenham alguém com quem ficar. O que todos eles tem em comum comigo? Creio que também sejam solitários e incompreendidos. Fico pensando em como seria viver com algum deles, seria perigoso e ao mesmo tempo divertido, sonho com essa possibilidade, pois penso que apenas conhecendo alguém assim, diferente, que eu poderia me sentir completa.

† Ðαяk † Åиgєℓ